Jorge Cardoso


Bandolinista e compositor brasileiro iniciou sua carreira musical no gênero musical Choro, de forma autodidata e posteriormente estudou bandolim com Elismar Pontes, Marco César e Ugo Orlandi. Firmou-se como compositor e estudioso da música brasileira instrumental.
Possui carreira discográfica desde 1993 com Cd’s lançados no Brasil e no exterior. Arquiteto desde 1994, exerce a profissão como funcionário concursado nos Correios desde 1997.
Participou em CDs e shows de vários artistas da Música Popular Brasileira.
Venceu o 1° lugar no Festival de Choro do Rio de Janeiro (2001) com a composição de sua autoria escrita para bandolim e conjunto regional.
Foi professor de cavaquinho na Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello (de 1998 a 2001) e professor de bandolim popular brasileiro na Escola de Música de Brasília (2002 a 2004 e 2009-2010).
Participou do Festival Internacional de La Coruña “Ciudad de Cristal”, Espanha, com o Quarteto Jorge Cardoso (2004), com o Trio Jorge Cardoso (2006), e em Duo com o violonista Fabiano Borges (2012).
Em 2008, diplomou-se em bandolim clássico no Conservatório Giuseppe Verdi, na Itália, com o maestro Ugo Orlandi. Em sua permanência na Itália (2004-2008) Integrou a Orquestra Città di Brescia de bandolins e violões.
Em 2011, concluiu mestrado em musicologia pela Universidade de Brasília. Pesquisa e dedica-se à música popular brasileira realizando palestras e concertos em vários países.
Em 2012, transferiu-se para Fortaleza, onde desenvolve atividades como músico e Arquiteto dos Correios.
Desde julho de 2013, é doutorando na Universidade Federal do Ceará na linha de pesquisa Educação, Currículo e Ensino, eixo temático de ensino da Música.
Em 2015, recebeu o Título de Cidadão de Fortaleza da Câmara Municipal de Fortaleza.

Mestres


Elismar Pontes

Elismar Pontes

Elismar Holanda Pontes, cearense, começou sua paixão pelo Choro em 1949, ainda em sua terra natal, antes de ingressar na Marinha brasileira e viajar para o Rio de Janeiro, onde moraria 30 anos.
Ainda no Ceará já apreciava esse estilo musical, ouvindo músicas de vários artistas famosos, dentre os quais Waldir Azevedo e Jacob do Bandolim.
Na Marinha, conheceu vários países como França, Inglaterra, Portugal, Suécia, Rússia, Alemanha, Holanda, Uruguai, Argentina, dentre outros, e morou um ano nos Estados Unidos. Além disso, conhece quase todos os estados brasileiros e morou em várias cidades do país. Todas estas viagens comprometeram seu tempo de dedicação ao bandolim, mas não o impediram de ser profundo conhecedor da arte do Choro. Como ele próprio se declara, é mais crítico, ouvinte e arregimentador do que bandolinista.
No Rio de Janeiro, sua trajetória é abrilhantada com diversas participações no meio artístico, apresentado por Evandro do Bandolim (seu primeiro contato no Rio), a grandes artistas da época, dentre os quais Waldir Azevedo, Elizeth Cardoso e Pixinguinha, além dos Regionais de Canhoto, Pernambuco, Época de Ouro, Dante Santoro e Tico-tico. Freqüentou programas de Choro nas rádios Tupi, Mauá, Vera Cruz, Mundial e Mayrink Veiga. Conheceu também Rossini Ferreira e foi aluno de Claudionor Cruz, Meira e de Luperce Miranda, ao lado de Déo Rian.

Em 1956, conheceu Jacob do Bandolim no programa O Mago do Bandolim na Rádio Nacional, exibido às segundas-feiras, de 18 horas até 18h30min. No início da década de 60 teve a honra de conviver musicalmente com aquele que é considerado o maior bandolinista do Brasil. Tornou-se frequentador assíduo da residência de Jacob em Jacarepaguá, juntamente com Déo Rian, onde pôde conhecer mais sobre esse maravilhoso estilo musical. Participou de diversas rodas de Choro no Rio, incentivando sua divulgação. Ajudou a formar o conjunto Noites Cariocas e foi arregimentador em outras várias ocasiões.

Marco César

Marco César

Nasceu no dia 30 de Julho de 1960, na cidade de Pesqueira/PE. Pedagogo, Compositor, Arranjador e Bandolinísta. Formado nos Cursos de Geografia e Música pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE e Pós – Graduação em Supervisão Educacional pela Universidade Salgado de Oliveira – UNIVERSO (RJ). Fundador do primeiro curso de Bandolim e Cavaquinho em Conservatório de Música no Brasil. Iniciou seus estudos de Teoria e Solfejo no Conservatório Pernambucano de Música com o Mestre Severino Revoredo. Estudou Harmonia Moderna com os professores Ian Guest, Thales Silveira e Roberto Sion. Fez o Curso de Harmonia e Contraponto ao nível de especialização com o Prfº. Manoel N. Neto, com o qual compôs o primeiro Concerto para Bandolim Contra-Fagote e Orquestra de Cordas criado no Nordeste. Participou como professor do I Seminário de Música Instrumental de Ouro Preto – MG e V FENARTE (Feira de Artes) em João Pessoa/PB onde ministrou as oficinas de Chorinho e nos Master-class de Oficina de Cordas pela FUNARTE nas cidades de Aracaju e Natal.  Foi fundador, músico e diretor artístico da Orquestra de Cordas Dedilhadas de Pernambuco, e membro, fundador, músico e arranjador do Grupo Oficina de Cordas de Recife. Participou do XVII Festival Del Caribe (Fiesta Del Fogo) em Santiago de Cuba, convidado pelo Governo do Estado/PE e do VIII Festival de Inverno de Garanhuns ao lado da Orquestra Camerata Armorial de Pernambuco com o Grupo Regional Sexteto Retratos do Conservatório Pernambucano de Música. Vem sendo solista junto as Orquestras Sinfônica do Recife, Armorial  de Câmara de Pernambuco, Câmara da Paraíba, Câmara da UFPE ,Câmara do CPM e Quinteto de Cordas da Paraíba. Tendo sido regido pelos maestros Henrique Gregori, Marlos Nobre, Cussy de Almeida, Osman Gioia e Mário Câncio. Participou como coordenador do Curso de Capacitação Para Instrumentistas de Orquestras de Pau e Corda do Recife Projeto da Secretária de Trabalho e Governo do Estado de Pernambuco. Participou no período de 07 á 26 de julho/99 do espetáculo “Pernambuco” integrando o grupo que acompanhou o multi-artísta Antônio Nóbrega no Festival de Avignon – França. Foi convidado pelo Quinteto da Paraíba para participar do concerto de aniversário pelos seus  10 anos de carreira musical. Participou como músico, arranjador e diretor musical do 1ª Cd do Coral Edgard Moraes – Frevos de Bloco em 10/99. Convidado para participar em 02/00 das apresentações do grande artista Antônio Nóbrega nas duas maiores casas de espetáculos do Brasil ATL Hall no Rio de Janeiro e Credicard Hall em São Paulo. Em dezembro de 2000 foi empossado membro da Academia Pernambucana de Música ocupando a cadeira dos compositores e irmãos Edgard e Raul Moraes. Em 2001 Participou do Espetáculo “Folias Guanabaras”pelo projeto Mãe Gentil do Fisioterapeuta e Coreógrafo Ivaldo Bertazzo nos estados do RJ/BH/SP com a Orquestra Retratos do Nordeste.

Ugo Orlandi

Ugo Orlandi

Ugo Orlandi  é professor de bandolim no Conservatório Giuseppe Verdi de Milão desde 2007 e, anteriormente, lecionou desde 1980, no Conservatório Cesare Pollini de Pádua. Nascido em Brescia, em 1958, cresceu musicalmente no Centro Jovem Bresciano de Educação Musical, onde iniciou o estudo do bandolim e do trompete. A partir de 1975, estudou bandolim com o professor e virtuose Giuseppe Anedda no Conservatório de Pádua, onde, simultaneamente, recebeu seu diploma trompete. Com interesse na música antiga e na pesquisa musicológica, dedicou-se ao estudo do cornetto e do trompete natural, aprofundando o estudo e a pesquisa do repertório bandolim histórico. Com Claudio Scimone e o “Solisti Veneti”, percorreu em turnês todo o mundo tendo participado nos Festivais de Salzburgo, Montreux, Edimburgo, “Mostly Mozart” em Nova York, e “Le Prestige de la Musique” em Paris. Colaborou com a Orquestra Solisti Aquilani, de Viena Kammerkonzerte, a Filarmônica de Berlim, Sergio Vartolo, Jordi Savall, Zubin Mehta e Claudio Abbado. Ele supervisionou a publicação dos livros ‘O Período Áureo do Bandolim’ & ‘Bandolim Memórias’ para Ed. Turris de Cremona, ‘O bandolim em Brescia “para as  Edições Franciacorta”, o volume que contém o trabalho de investigação sobre as sonatas de Domenico Scarlatti para bandolim pela editora Berben de Ancona e da série ‘Mandolin’ pela editora Ut Orpheus de Bolonha.